26/09/2009


Bom dia,
Me pediram e eu vim dar minha opinião do porque acredito mais na igreja católica do que em outras.

Não falarei sobre religiões diferentes, mas sim a mesma religião (cristã) que se divide em interpretações diferentes da bíblia, acredito que todos são dignos do paraíso e são capazes de amar realmente independente da religião ou da interpretação que fazem da bíblia, mas isso também não será tratado na conversa.
Eu não afirmo que minha idéia seja a correta, mas defendo o que penso. A muito tempo atrás, antes mesmo da reforma protestante, quando praticamente só existia uma igreja, dentro dessa igreja já havia divergência de pensamentos e interpretações da bíblia, essas pessoas se diferenciavam dos outros cristãos na maior parte das vezes por seu radicalismo da interpretação da bíblia que traziam esse radicalismo pra sua vida, alguns desses grupos se separavam da igreja alguns outros eram excomungados.

Quem trocaria de time se o seu time perdesse durante 2 anos consecutivos? Quem largaria a família em casa e iria morar sozinho se passasse um longo período em conflito com a família? Quem sairia da igreja se durante séculos ela tomasse decisões erroneamente? Eu não sei como eu reagiria, talvez eu saísse da igreja, ao contrário de Martin Lutero que foi expulso, excomungado, e nunca teve intenção de se separar da igreja ou de construir uma igreja diferente, que é o que diz a história do ensino médio. Ele simplesmente teve peito para enfrentar a situação. Nessa época muitos papas eram reis e muitos bispos eram filhos de grandes senhores, mas é importante lembrar também que enquanto esses guiavam as decisões políticas da igreja que muitas vezes eram erradas, haviam padres, monges que se dedicavam ao estudo e ao amor e guiavam a fé do povo, e essa acabou sendo uma das épocas de maior crescimento sobre o estudo da Palavra. Devido as decisões políticas tomadas pela igreja e pelo estouro do estopim pelas teses de Lutero criaram-se novas igrejas, que a princípio suas idéias só difeririam nas questões políticas da igreja católica (isso era pra nunca ter acontecido, pois igreja e política são coisas diferentes e um não deve tomar as decisões do outro, mas naquela época os líderes políticos eram os mesmos líderes religiosos e os mesmos donos das terras) e com o passar do tempo essas novas igrejas foram criando também o seu radicalismo, e hoje existem milhares e talvez milhões de igrejas cristãs diferentes no mundo. Uma dessas igrejas, a anglicana, hoje se diferencia muito pouco da católica, e tenta regressar a nossa igreja, mas por alguns motivos esse processo não vem sendo feito.

Eu já duvidei de varias coisas da igreja e isso fez aumentar muito a minha fé e como diria o PE Aledi “é preciso duvidar para ter fé”, mas eu sempre acreditei que pra minha dúvida a minha igreja teria uma resposta que eu simplesmente ainda não conhecia, e isso até hoje não deu errado, quando eu não acreditava, não saia da minha igreja e ia para outra, mas já vi e ouvi muitos casos de pessoas que duvidaram de sua igreja, não buscaram a tudo que ela tinha a dizer a respeito e simplesmente mudaram, sendo isso também uma atitude radical. Não sei se fui bem claro vou tentar exemplificar:
Igreja A = fabrica de faróis para carro “A”
Igreja B = fabrica de faróis para carro “B”
Durante a vida toda você usou o farol A sem saber porque, e um belo dia o vendedor de faróis B mostra pra você que o farol B ilumina mais os lados do que o farol A, e você sem querer saber se o farol A era realmente pior ou não, decide mudar de farol, mas talvez se você tivesse procurado saber as características do farol A descobriria que ele tem um alcance melhor, que a luz dele é menos cansativa para os olhos o que ajudaria a não dormir no volante, que a luz dele incomoda menos os outros motoristas o que poderia evitar acidentes e que na verdade iluminar mais os lados pode ser motivo pra distrair o olhar e assim perder a atenção no trânsito. Seja um bom comprador, pesquise, duvide, mas também é preciso escutar o que o vendedor B tem a oferecer, se você só perguntar pro vendedor A você nunca terá o que duvidar e sua fé será sempre a mesma.

A igreja católica estuda a palavra a dois mil anos! Uma pessoa pra ser padre passa por um estudo de no mínimo 8 anos, fica mais um ano sendo diácono para enfim poder ser padre que por sua vez nunca irá parar de estudar, e o que ele estuda, já foi lido e acreditado por outros milhões de padres e estudiosos, vários desses com mestrados e doutorados de diferentes áreas, o que ele vai ler é uma reunião de idéias discutidas e aceitas por católicos de todo o mundo e de todas as épocas, os principais pilares da fé da igreja que são os dogmas foram tomados em meio ao Espírito Santo, a interpretação da bíblia conta com ajuda de psicólogos, teólogos, historiadores, é levado em conta a idade do texto, a forma em que foi escrita, o lugar em que foi escrito, o que o autor queria dizer quando escreveu tal texto. O que uma palavra significa em um lugar ou em uma determinada época, pode ser totalmente diferente do que em outro lugar ou outra época, até mesmo o português brasileiro e o português de Portugal se confundem. O que aqui significa um rolo de fita adesiva (“durex”) em Portugal significa camisinha.
É impossível ignorar o conhecimento de várias pessoas que destinaram quase todo o tempo de sua vida aos estudos e que acreditam nas mesmas coisas. Se você tiver alguma dúvida acredito que a igreja católica te responderá, o que foi acumulado em dois mil anos de conhecimento uma só pessoa não consegue saber, então as vezes você precisará perguntar a mais de uma pessoa a mais de um padre. Já as outras igrejas não sei de onde tiraram tanto conhecimento, alguns dizem que está tudo escrito na bíblia, só que para interpretar o que está escrito não basta somente ler o que está escrito tem que levar muitas coisas em conta.

Existem outros aspectos que fortalecem a idéia da igreja católica ser a mais certa a se seguir, eu citei um, espero que me ajudem a crescer essa discussão, opinando a favor ou contra.
Um forte abraço a todos.

--> Texto escrito por Ícaro Caniçali

3 comentários:

Vinicius disse...

Hummmmm...legal! =)

Gostei mto do começo qdo deixou claro que acredita no valor das outras Igrejas, e do desenvolver do texto que deixou claro o "peso" da experiência da Igreja Católica, que por muitas vezes não lembramos.

Na minha opinião, o que atrapalha uma pessoa seguir a Deus não é nem a religião que ela escolhe, pq pra mim todas elas levarão ao lugar certo, de uma forma ou de outra. Mas o que acontece é que a maioria das pessoas não escolhem! Mudam de religião como mudam de roupa, e dessa forma nunca tem um caminho objetivo para seguir.

Isso se dá pelo fato do que vc falou, quase nguem está interessado em procurar saber o porque das coisas, querem simplesmente seguir os próprios ideias, e achar o lugar em que os seus próprios ideias são pregados.

Resumindo, poucas pessoas estão interessadas em servir a Deus, a maioria prefere servir a si mesmo, pois é a forma com que somos educados hoje, a teoria do conforto e bem estar, do sucesso a qualquer preço.

Dessa forma não adianta, pode abrir mais 1000 religiões diferentes, as pessoas nunca vão se achar num espaço se não começarem a abrir mão de seus axismos e viver de acordo com o que o próprio Deus nos prega, sendo "agradável" ou não.

Marcinho disse...

Hoje em dia a felicidade é para muitos sinônimo de emoção, espetáculo e conforto. E, não mais importa se a escolha que eu faço é a certa, mas se minhas carências, vaidades e ambições foram satisfeitas. Não buscamos mais a verdade, ou a felicidade plena em primeiro lugar, mas a realização de nossas vontades. Por isso a evasão em massa da igreja católica.

Infelizmente a teologia da prosperidade (o nome é totalmente auto explicativo) vem furtando a cena do próprio Jesus. "Você viu ciclana? Depois que se converteu para a nossa igreja comprou 2 carros novos e já reformou a casa toda!! Ô benção.."
É pobre demais da nossa parte pensar que Deus -que TUDO fez- sonha em me dar apenas um carro.
(Não digo que todas as igrejas protestantes são assim, apenas que essa e outras práticas estão ganhando espaço)

Uma coisa que me dá paz por ser católico é o fato de que a minha igreja me mostra um Deus que é simples. Faz coisas simples, e se manifesta por coisas simples.

Confesso que muitas vezes eu não quis um Deus amigo, mas um "show-God", um guru.
Um cara que me facilitasse tudo. Me desse uma vida menos sofrida, menos chata...o que, no entanto, seria menos experimentada e contemplada.

A igreja católica me mostra um Deus que me fez e me quer livre. Faz isso ao me mostrar que Ele é um professor, um Pai que me disciplina. Assim cantava Renato Russo: "..disciplina é liberdade.."

Hoje, um amigo meu me perguntou: "Por que só a igreja católica não cura, profetiza?"
Eu respondi: Cura! Profetiza! Mas esse não é o foco.

Antes que fazer o coxo andar, o cego ver, o mudo falar...Jesus me quer junto dele. Quer curar meu coração, por mais clichê que isso possa soar.

Jesus abominava que o seguissem pelos milagres que ele fazia, pq assim não estariam buscando nele...o que ele realmente queria dar. Ele queria nos ensinar a amar do jeito mais puro, pela simplicidade, humildade etc.


Enfim, finalizo com uma frase que ouvi de uma senhora daqui da paróquia:

"Quanto mais eu vejo o lado pecador da minha igreja, mais eu me identifico com ela. Mais eu tenho vontade de caminhar e servir, para um dia, juntos, chegarmos à perfeição."

Essa é a minha igreja.

Rodolfo disse...

Nossa... li o texto a um tempão que já me perdi direito do que fala. Mas na parte que diz sobre Catolicismo e outras religiões, concordo com os três. Vão continuar surgindo outras religiões a conveniência de alguns, mas quem se aprofunda um pouquinho mais no catolicismo vê que apesar dos defeitos há um contínuo processo de buscar a semelhança com Deus, como Marcinho disse. Li um livro do papa Bento XVI, sua autobiografia, é a gente percebe que, no caso dele que estudou a Liturgia, Tradição e outras vertentes da Igreja Católica, há uma contínua busca de estudar a religião. O que é muito interessante na nossa história. Mas além de considerar todo esse tempo de conhecimentos da Igreja Católica, os estudos, as mudanças, os erros, as correções, etc, ainda surge a Eucaristia, que é essa profissão de fé que ultrapassa os milênios e que a Igreja conseguiu preservar.