25/05/2008

ATUALIDADE (PARTE II)


O mapa mostra Anapu, cidade onde a missionária Dorothy Stang, por mais de quarenta anos lutou pela melhoria da qualidade de vida e pelos direitos dos trabalhadores rurais. E cidade de Breves, na Ilha de Marajó, onde Dom Azcona denunciou casos de exploração sexual de crianças, tráfego de mulheres, e narcotráfico. E é a cidade onde fica a base das missões do Projeto Amazônia da RCC, que luta para que “todos tenham vida, e vida em abundância!”

Continuando o raciocínio do texto atualidade parte 1, vários religiosos continuam corajosamente enfrentando freqüentes ameaças. Um exemplo foi citado pela Tininha no último aprofundamento (dia 04 de maio), o bispo Dom Azcona.

Segue abaixo, trechos de um relato de um membro do Ministério Universidades Renovadas (Renovação Carismática Católica) após ter conversado por telefone com Dom Azcona.

"Toca-me a delicadeza, a coragem, a humildade, a fé e a concretude do Evangelho na vida desse homem! Começamos a conversar sobre as ameaças e Dom Azcona disse estar em paz e sentir até uma suave alegria pelo Senhor conceder-lhe a graça de dar a vida pelo Reino. Falou de Santo Inácio de Antioquia que, às portas do martírio, disse: “Agora nasce um homem”. Antes ele tinha planos de viver 10, 15 anos, agora sabe que sua vida está nas mãos de Deus e que pode ir ao encontro do Senhor a qualquer momento. Pediu que orássemos por ele, para que tenha humildade diante do imenso dom de poder morrer mártir pelo Senhor. Por fim, expressou sua alegria por um Bispo, que todos sabem estar ligado a RCC (Renovação carismática católica), ser alvo dessas perseguições, pois tal fato revela que a experiência do Espírito é plenamente conciliável com ação em favor dos pobres e com o compromisso de construir uma sociedade mais justa. (...)"

Vale também citar o Projeto Amazônia da Renovação Carismática Católica, que recruta missionários de todo Brasil, para ir à região Transamazônica, com o objetivo de "colaborar com as Igrejas da Amazônia, respeitando e interagindo com seu povo, sua cultura e sua história, para que, em Jesus, todas as pessoas tenham as condições necessárias ao seu pleno desenvolvimento, ou seja, tenham vida e vida em abundância."

Quem quiser saber mais sobre o projeto é só acessar o site :

http://www.rccbrasil.org.br/pa/


Deixemos a vida e obra dessas pessoas tocarem nosso coração. Nós, como cristãos, temos o dever de não nos acomodar com situações de desamor e injustiça, pois assim Jesus Cristo nos ensinou. Que nossa fé se concretize no amor ao próximo, amor gratuito, sem interesse.

Vou finalizar com um trecho da nota de solidariedade aos bispos ameaçados, divulgada pela CNBB:

"Em Cristo somos um só com eles e com as pessoas que eles defendem: os povos indígenas; as mulheres, crianças e adolescentes que o tráfico de seres humanos instrumentaliza, que a exploração sexual vende e as drogas matam. Apoiamos também seu empenho na defesa do meio ambiente que a ganância devasta com nefastas conseqüências para a vida humana. Suas lutas são, portanto, as nossas lutas, seus sofrimentos são os nossos sofrimentos. O martírio deles seria "crucificar novamente o Filho de Deus" (Hb 6,6). Seria injusta qualquer agressão a estes agentes. Sabemos também porque são perseguidos: "O servo não é maior que seu senhor. Se me perseguiram, vos perseguirão”. (Jo 15,20)".

3 comentários:

Vinicius disse...

Muito bom!

Apesar de ficar um pouco assustado com a "radicalidade", é muito bom ver um exemplo de amor ao próximo tão concreto!

Não sei se tenho coragem de morrer dessa forma, mas busco a cada dia possuir um amor fraterno próximo disso!

:)

Bruna Grobberio disse...

Poxa... que legal ver q a igreja tem alcançado patamares tão importantes nestes segmentos da sociedade! Isso mostra o quanto a ação social é determinante na construção de uma sociedade mais fraterna, pacífica e que dá grande valor à vida!!

Anônimo disse...

Realmente somos convidados a lutar pela defesa da vida, respeitando os direitos de cada ser humano, somos convidados a lutar com prudência. Sabemos que ser cristão hoje em dia não é fácil, mas vale a pena, mesmo que para isto tenhamos que morrer como mártir, como os primeiros cristãos. E é o que está acontecendo na atualidade.